Trocas Macabras


Título Original: Needful Things


Título Traduzido: Trocas Macabras (1992Presente)


Ano de Publicação: 1991


Páginas: 656 (Edição de 2020 – Suma de Letras)


Tradução: Regiane Winarski


Data de Publicação nos EUA: 01/10/1991


Personagens: Alan Pangborn, Leland Gaunt, Brian Rusk, Polly Chalmers, Norris Ridgewick, Nettie Cobb


Conexões: A Zona Morta; Cujo; A Metade Negra; Quatro Estações; Depois da Meia-Noite; A Torre Negra


Personagens Citados: Thad Beaumont, George Stark, Teddy Duchamp, Gordie Lachance, Vern Tessio, Chris Chambers, Frank Dodd, Reginald “Pop” Merrill


Sinopse: Bem-vindos a Artigos Indispensáveis, uma simpática lojinha de quinquilharias para todos os gostos recém-chegada a Castle Rock. No interior dela, os clientes podem encontrar qualquer coisa que desejarem ― qualquer coisa. Para comprar, basta direcionar-se ao dono do estabelecimento, o sorridente e sempre solícito Leland Gaunt. A forma de pagamento? Alguns poucos trocados simbólicos; uma pequena peça a ser pregada em um cidadão de Castle Rock, e por último, mas não menos importante, a sua alma.


Adaptações: Trocas Macabras (1993)


Derivados: ———-


Disponível no Brasil pelas Editoras: Francisco Alves (1992); Suma de Letras (2020)


CURIOSIDADES

– O livro é dedicado a um amigo de King chamado Chris Lavin. O autor também pegou esse nome emprestado para batizar um dos personagens da noveleta “O Policial da Biblioteca”, da antologia Depois da Meia-Noite.

– O valentão Ace Merrill, que intimidou os quatro meninos da noveleta “O Corpo”, na antologia Quatro Estações, retorna neste romance. Em um dos momentos do livro, ele se recorda do quarteto. Em outra parte do romance, é dito que Ace cumpriu uma sentença de quatro anos na prisão de Shawshank.

– O xerife George Bannerman e o assassino Frank Dodd são mencionados no romance.

– Polly Chalmers é sobrinha de Evie Chalmers, personagem que aparece no início do romance Cujo.

– Parte final da “Trilogia Castle Rock”, precedida pela noveleta “O Cão da Fotografia”, do livro Depois da Meia-Noite, e do romance A Metade Sombria.

– Descrita por King como “a última história de Castle Rock”. A afirmação, porém, viria a ser deixada para trás com o conto “A Gente Se Acostuma”, do livro Pesadelos e Paisagens Noturnas, e com os romances A Pequena Caixa de Gwendy e Ascensão, todos ambientados em Castle Rock.

– King explicou que a inspiração para escrever a história vem da opinião dele sobre a decadência dos anos 1980. Segundo ele, nessa década tudo tinha uma etiqueta com preço. Para King, os anos 1980 formaram uma década posta à venda, e os últimos itens na estante dessa “loja” haviam sido dignidade, integridade, honra e inocência.

– Leland conta que veio de Akron, em Ohio. A cidade existe, mas pode ser também uma brincadeira com o nome do Rio Aqueron, famoso na mitologia grega por passar pelo submundo (inferno, em algumas interpretações) do deus dos mortos, Hades.

– O personagem Sean Rusk pergunta a Alan Pangborn se ele é um xerife como visto no filme “Jovens Demais para Morrer”. A película é estrelada pelo ator Kiefer Sutherland, que interpretou Ace Merrill no filme “Conta Comigo” (1986), baseado na noveleta “O Corpo”, de Quatro Estações. Ace também participa deste romance.

– Sempre que alguém entra na loja, Leland dá boas-vindas pedindo que o cliente entre e “deixe um pouco de sua felicidade”. Este é o mesmo pedido que o conde Drácula faz a Jonathan Harker no romance Drácula, de Bram Stoker.

– A fonte na capa da edição original norte-americana foi utilizada no título do seriado “Stranger Things”.

– O episódio 9 da primeira temporada de “Rick and Morty” (Uma Loja do Diabo/Something Ricked This Way Comes) é uma paródia de Trocas Macabras.


CURIOSIDADES COM SPOILERS

– É dito que a personagem Nettie Cobb passou um tempo no sanatório Juniper Hill, mesmo local onde Henry Bowers, de It: A Coisa, passou anos.

– No final do livro, é dito que Leland Gaunt montou uma nova loja onde antes era o escritório de Sam Peebles, protagonista da noveleta “O Policial da Biblioteca”, da antologia Depois da Meia-Noite.

– O incêndio que acabou com a loja de Pop Merrill na noveleta “O Cão da Fotografia”, também de Depois da Meia-Noite, é mencionado em Trocas Macabras.

– O “Branco”, força benigna liderada por Gan, é mencionada por Alan Pangborn no final do livro, na batalha final contra Leland Gaunt.

– No livro, é dito que Gaunt não é o próprio diabo, e sim um demônio. Uma das teorias ponderadas pelos Leitores Constantes é que ele seria Nyarlathotep, figura presente no cânone de H.P. Lovecraft. Além disso, Lovecraft também criou uma raça de demônios chamada “nightgaunts”, ou simplesmente “gaunts”. Outro fator que parece apontar para Leland pertencer aos mitos de Cthulhu surge quando o vilão diz a Ace Merrill que conseguiu drogas das planícies de Leng, existentes no mundo de Lovecraft. Em determinado momento do livro, Ace também vê uma pichação numa parede de uma universidade que diz “Yog-Sothot Rules”. Yog-Sothot é outra criatura criada por Lovecraft.