Os Olhos do Dragão


Título Original: The Eyes of the Dragon


Título Traduzido: Os Olhos do Dragão (1988Presente)


Ano de Publicação: 1987


Páginas: 304 (Edição de 2013 – Suma de Letras)


Tradução: João Guilherme Linke


Data de Publicação nos EUA: 02/02/1987


Personagens: Príncipe Pedro, Príncipe Tomás, Rei Rolando, Flagg


Conexões: A Torre Negra


Personagens Citados: Randall Flagg


Sinopse: O reino medieval de Delain prospera graças à liderança e bondade do rei Rolando, cuja família governou por gerações. Porém, Flagg, o invejoso feiticeiro da corte, deseja destruir a monarquia e, para isso, planeja utilizar os filhos do rei, Pedro e Tomás. Perpetrador de conspirações e manipulações, Flagg não vai parar até jogar Delain na escuridão, mas o vilão terá de superar a inteligência dos príncipes se quiser alcançar seu objetivo.


Adaptações: ———-


Derivados: ———-


Disponível no Brasil pelas Editoras: Francisco Alves (1988); Objetiva (2002); Planeta DeAgostini (2004); Ponto de Leitura (2011); Ponto de Leitura (2013); Suma de Letras (2013)


CURIOSIDADES

– O livro é dedicado por King à sua filha, Naomi, e ao filho de Peter Straub, Benjamin.

– King escreveu o livro porque Naomi, sua filha, não gostava de suas histórias de terror. Ele resolveu, então, criar um romance de fantasia para agradá-la.

– Terceira aparição do vilão Randall Flagg, após A Dança da Morte (1978) e A Torre Negra: Volume I – O Pistoleiro (1982).

– Publicado originalmente em uma edição limitada pela Philtrum Press (pequena editora do próprio King), no ano de 1984.

– Originalmente, o livro se chamaria The Napkins (Os Guardanapos).

– O reino de Delain está localizado no Mundo-Interior, onde também está localizado o baronato de Nova Canaã, visto na saga A Torre Negra.

– Certa vez, King compartilhou uma ideia em que Tomás e Denis reapareceriam em um dos livros da saga A Torre Negra. Isso, contudo, nunca aconteceu. Os personagens foram apenas mencionados de passagem em A Escolha dos Três.

– O reino de Garlan é mencionado na saga A Torre Negra várias vezes. Em As Terras Devastadas, Roland pondera sobre a possibilidade de ter havido uma guerra civil no lugar; em Mago e Vidro, o pistoleiro lembra que Garlan é um reino conhecido por seus venenos; já em Canção de Susannah, Roland conta que seu avô Alarico havia viajado para Garlan em busca de matar um dragão, mas que chegara tarde demais, pois o último dragão existente já havia sido morto por um rei que, mais tarde, fora assassinado (Rei Rolando).

– Em determinado momento da fábula, o narrador fala sobre a inveja e dor de Tomás parafraseando vários trechos do poema “In the Desert”, de Stephen Crane. “Ele sentiu como se alguém houvesse alcançado seu coração, cortado um pedaço dele e feito ele comê-lo. O gosto de seu coração era muito amargo, e ele odiou Pedro ainda mais, embora uma parte dele ainda amasse seu bonito irmão, e sempre amaria, e embora o gosto fosse amargo, ele tinha que gostar. Porque era seu coração”. Já o poema original de Crane diz: “No deserto, eu vi uma criatura, nua, bestial, que, de cócoras no chão, segurou seu coração em sua mão, e o comeu. Eu disse, ‘está gostoso, amigo?’, ‘Está um pouco amargo’, ele respondeu, ‘mas eu gosto, porque ele é amargo, e porque é meu coração'”.

– Os mitos de Cthulhu, de H. P. Lovecraft, são referenciados por King quando ele descreve que o livro de magias de Flagg “foi escrito nas altas e distantes planícies de Leng, por um homem louco chamado Alhazred”. Em Trocas Macabras, King escreve que Leland Gaunt conseguiu maconha oriunda dessas mesmas planícies.