Os Justiceiros


Título Original: The Regulators


Título Traduzido: Os Justiceiros (1997Presente)


Ano de Publicação: 1996


Páginas: 352 (Edição de 2013 – Suma de Letras)


Tradução: Marcos Santarrita


Data de Publicação nos EUA: 24/09/1996


Personagens: Seth Garin, Audrey Wyler, John Marinville, Collie Entragian


Conexões: ———-


Personagens Citados: ———-


Sinopse: Numa pacata vizinhança de Ohio, o caos se instala quando um grupo de furgões desce a rua abrindo fogo contra tudo e contra todos. Os veículos, estranhamente, são iguais àqueles usados por heróis de um famoso seriado da TV. Mais estranho ainda é que a vizinhança começa lentamente a mudar de visual, transformando-se numa cidade do velho oeste. Agora, os poucos sobreviventes do ataque devem se unir para lutar por suas vidas e entender o que aconteceu.


Adaptações: ———-


Derivados: ———-


Disponível no Brasil pelas Editoras: Objetiva (1997); Objetiva (2001); Planeta DeAgostini (2004); Ponto de Leitura (2013); Suma de Letras (2013)


CURIOSIDADES

– O romance foi dedicado ao escritor Jim Thompson e a Sam Peckinpah.

– Stephen King começou a escrever a história nos anos 1980 na forma de um roteiro, que tinha o título de “The Shotgunners” (algo como “Os Pistoleiros”). Ele enviou o texto para o diretor Sam Peckinpah, que fez algumas sugestões sobre a história. Porém, Peckinpah morreu antes que King pudesse finalizar o segundo esboço do roteiro, e o autor acabou convertendo a história em um romance.

– Os Justiceiros e Desespero são romances gêmeos. Foram publicados no mesmo dia e compartilham dos mesmos personagens e elementos. Contudo, as duas histórias ocorrem em universos paralelos, com diferentes narrativas e descrições dos personagens.

– Em diversas edições pelo mundo, incluindo as brasileiras, as capas de Os Justiceiros e Desespero formam uma única imagem se colocadas lado a lado.

– Na introdução do livro, é dito que o manuscrito de Os Justiceiros só foi encontrado após a “morte” de Richard Bachman por “câncer de pseudônimo”.

– O Hotel Overlook, palco do romance O Iluminado, é citado no epílogo por uma das personagens: “[…] embora eu não ache que pareça muito com o Overlook de Stephen King, tem lá seu quinhão de recantos estranhos e assombrados”.