Hans-Åke Lilja

Entrevista originalmente publicada em setembro de 2012.

Apresentação: Hans-Åke Lilja é o websmater do Lilja’s Library, que está no ar desde 1996. Desde então, Lilja tem feito um grande trabalho informando os fãs ao redor do mundo das novidades do mundo de Stephen King (sendo elogiado até mesmo pelo próprio). Através dos anos, Lilja entrevistou diversas pessoas interessantes, como Frank Darabont, Mick Garris, Rafael Albuquerque e Peter Straub. Desta vez, ele é o entrevistado.

01- Como e quando você conheceu Stephen King pela primeira vez?

Eu só o encontrei uma vez, e isso foi na festa da editora em Londres, quando ele esteve lá para promover LOVE: A História de Lisey. Foi um encontro curto, mas divertido. Eu também o entrevistei duas vezes pelo telefone, e ele é um homem muito “pé no chão”, que é muito fácil de se conversar.

02- O que te realmente fez virar um fã dele?

Eu consegui uma cópia de Carrie, a Estranha em meados dos anos 1980, e fui imediatamente capturado. Eu gosto de suas histórias porque elas são boas histórias que quase sempre têm personagens bem escritos e acontecem num ambiente costumeiro. Então, subitamente algo acontece que muda a situação totalmente e tudo fica assustador.

03- Você entrevistou vários grandes nomes, sendo o mais importante deles o próprio King. Já que você já o entrevistou várias vezes até agora, conte-nos o que você sentiu pela primeira vez que você teve a chance de falar com o homem.

Eu estava muito nervoso enquanto esperava que ele ligasse, e quando atendi e ele disse “Oi, aqui é o Steve”, meu coração disparou. Mas enquanto começamos a falar, ele se mostrou bastante pé no chão e simpático, então eu gostei muito.

04- Você escreveu 2 livros sobre Stephen King. Conte-nos sobre eles, e como a ideia de escrevê-los veio até você.

O primeiro “Lilja’s Library – The World of Stephen King” (O Mundo de Stephen King), é uma coletânea de resenhas e entrevistas do meu site publicados em formato de livro. Eu também adicionei algumas coisas que não estão no site. Eu fui contactado pela editora Cemetery Dance, que queria publicá-lo, e eu concordei. O livro foi lançando em capa dura e como eBook.

Já o segundo livro “The Illustrated Stephen King Movie Trivia Book” (O Livro Ilustrado de Curiosidades de Cinema de Stephen King), eu fiz em parceria com Kevin Quigley e Brian Freeman. É um livro de curiosidades sobre todos os filmes de King, séries de TV e Dollar Babies. É bastante divertido se você quiser testar o quanto você sabe sobre os filmes do King.

05- Qual é o seu livro favorito escrito por Stephen King (e se puder, elabore o porquê)?

Meu favorito é A Longa Marcha. Eu gosto porque é uma história muito boa, contada de uma forma excelente, e com uma grande trama. O fato de ser um livro sobre pessoas que estão apenas caminhando é um bom exemplo do quão bom é.

06- Conte-nos sobre a Library: suas inspirações para criá-la, quando foi criada e se você achou que faria tanto sucesso.

Eu criei Lilja’s Library em 1996. Eu o fiz porque não achei que havia muitos sites bons sobre King por aí. Na época, eu não planejei administrá-lo por tanto tempo (16 anos e contando), mas eu o fiz, e ele cresceu mais do que eu ousei esperar. Ela já me concedeu tanto. Eu consegui entrevistar pessoas que eu nem sequer ousei pensar que poderia. Consegui conhecer pessoalmente um monte de gente que eu não pensei que poderia. Tem sido muito mais do que apenas eu noticiando sobre livros novos de King.

07- Fora King, qual foi a melhor pessoal relacionada a ele que você entrevistou, e por quê?

Frank Darabont [diretor de “Um Sonho de Liberdade”; “A Espera de um Milagre”; e “O Nevoeiro”]. Eu o entrevistei várias vezes por e-mail e telefone, e ele é uma pessoa muito bacana.

08- Qual foi a melhor adaptação dos livros de King para você, e por quê?

“O Nevoeiro”. Eu amo este filme o final! Eu amo o final! Eu não vou dizer mais se vocês não o viram, mas é ótimo.

09- O que você espera dos projetos futuros de King (Joyland, Doutor Sono, e a 3ª parte da trilogia de Jack Sawyer)?

Estou ansioso por todos, mas a terceira parte de O Talismã parece que está longe de ser lançada. Talvez aconteça, talvez não, mas espero que seja. Também será muito interessante ver mais de Danny [Torrance] em Doutor Sono. Quanto a Joyland, não sabemos muito sobre o que vai ser, mas o que escutamos até agora soa interessante.

10- O que você espera das futuras adaptações de King (“A Torre Negra”, remake de “Carrie”, “The Stand”, “Under the Dome”)?

“A Torre Negra”: estou muito cético se este será feito. Parece ser muito caro para ser realizado, e isso significa que, se for feito, vamos ter uma versão mais barata, então pode ser que seja melhor se não for feita.

“Carrie”: Deste aqui eu não gostei muito quando ouvi falar pela primeira vez, mas quanto mais eu escuto, mais interessante soa, então pode ser que surpreenda a todos.

“The Stand” e “Under the Dome”: não sabemos muito sobre eles, ou se vão ser feitos mesmo, então acho que só podemos esperar e ver.

11- Aqui no Brasil, nós finalmente teremos Sob a Redoma no próximo mês. O que você pode nos dizer, sem spoilers, sobre o livro? O que podemos esperar?

É um ótimo livro, com vários personagens, e para variar é um livro bem grosso. Eu não fiquei muito feliz com o final, mas talvez seja só eu. O resto do livro foi ótimo.

12- Se King lhe dissesse que você tem um desejo, o que você desejaria a ele?

Uau, essa é difícil. Eu gostaria de poder segui-lo durante a escrita de um livro. Ler todos os rascunhos do livro. Ver como as coisas mudam enquanto ele escreve. Seria muito fascinante seguir este processo em primeira mão.

13- Você já prestou algum tipo de homenagem a Stephen King (fora seu site)? Se sim, qual foi?

Não, creio que não. Apenas o site mesmo.

14- Uma pergunta terrível: quando o dia em que nunca mais tivermos uma nova história de Stephen King chegar, o que você acha que vai pensar/sentir/dizer?

Eu acho que isto está bem longe no futuro. Mesmo que ele morresse amanhã, provavelmente haveria histórias não-publicadas que poderíamos aproveitar. E eu ficaria mais chateado se fosse porque ele morreu do que se ele dissesse “Já basta para mim, eu vou parar”. E não é só porque ele estaria morto (o que é triste por si só), mas porque se ele decidisse parar, seria sua decisão, e se alguém tem direito a fazê-la, é o King. Não há muitos escritores que tenham dado tantos livros para seus fãs como ele, e eu poderia respeitá-lo completamente se ele pensasse que já era hora de parar. Mas isso não significa que eu não sentiria saudades de ter novos livros de King.

15- Finalmente, mande uma mensagem para os fãs brasileiros de Stephen King.

Olá, Brasil! Eu conheço alguns de vocês por contato através do site, e espero que vários outros comecem a visitar agora. Por favor, comentem, por e-mail, Facebook, ou Twitter. Eu adoro falar de King, então, por favor, mantenham contato. Ah, e divirtam-se com Sob a Redoma!

O King of Maine agradece seu tempo e atenção. Desejamos boa sorte com seus projetos.