Creepshow: Show de Horrores


Adaptação do Livro: ———-


Adaptação do Conto: Weeds (1976); The Crate (1979)


Título Original: Creepshow


Ano de Produção: 1982


Duração: 120 minutos


Data de Estreia nos EUA: 12/11/1982


Data de Estreia no Brasil: 25/12/1982


Elenco: Stephen King, Leslie Nielsen, Ed Harris, Ted Danson, Adrienne Barbeau, E.G. Marshall


Direção: George A. Romero


Sinopse: “Creepshow” é o resultado da união entre dois titãs do horror, Stephen King e George Romero. O filme é uma antologia de cinco histórias baseadas em contos ou ideias do escritor ligadas por uma temática inspirada nos quadrinhos de terror norte-americanos dos anos 1950. Na primeira história, “Dia dos Pais”, uma família se vê perseguida pelo patriarca que voltou da tumba na data comemorativa que dá nome ao segmento; em “A Morte Solitária de Jordy Verrill”, um fazendeiro encontra um meteorito e resolve vendê-lo para ganhar dinheiro, contudo, ao tocar na rocha, coisas estranhas começam a acontecer; em “Indo Com a Maré”, um homem traído por sua esposa fará de tudo para se vingar dela e do amante, mas ele nem desconfia que pode acabar vítima de outra vingança; em “A Caixa”, um professor e seu estudante descobrem uma caixa que contém um monstro sanguinário. Eles resolvem utilizar a descoberta para fins arrepiantes; por fim, em “Vingança Barata”, um hipocondríaco encara seu pior pesadelo quando um exército de baratas invade seu apartamento.


Disponível no Brasil em: VHS, DVD, Streaming (Darkflix), VOD (iTunes)


CURIOSIDADES

– Stephen King levava um boneco do personagem “Greedo”, de “Star Wars: Episódio IV: Uma Nova Esperança” (1977), para os sets de “Creepshow” como amuleto de boa sorte.

– O menino que aparece no começo do filme (o ávido leitor das revistas “Creepshow”) é o filho de Stephen, Joe Hill.

– Cereais da marca “Rice Krispies” foram usados para simular os vermes nos olhos do cadáver na primeira história, mas vermes de verdade também foram utilizados.

– O cinzeiro de mármore que surge na primeira história aparece em todos os segmentos do filme.

– Uma placa com a inscrição “Castle Rock” pode ser vista ao fim da segunda história. Há também uma placa de Portland, cidade natal de Stephen King.

– Numa entrevista para a revista Cinefantastique, King e Romero admitiram que os efeitos especiais da última história, “Vingança Barata”, eram difíceis e ambiciosos demais. Eles pensaram em substitui-la por outra história chamada “The Hitch-hiker” (O Carona), que acabou se tornando o segmento final de “Creepshow 2”.

– No rascunho do roteiro original de 142 páginas, as histórias três e quatro estavam invertidas de posição. Bernie Wrightson resolveu usar este conceito ao adaptar o filme no formato de histórias em quadrinhos.

– No roteiro original de King, a última história se passava numa cobertura luxuosa de um prédio, mas, devido às complicações de se soltar baratas no local, Romero optou por um quarto com aspecto hospitalar e mais fechado.

– Dois dos personagens que aparecem no início da história “A Caixa” se chamam Tabitha e Richard, uma clara alusão a Tabitha King, e ao pseudônimo Richard Bachman.

– O filme a que Jordy Verrill assiste no segundo episódio é “Nasce uma Estrela” (1937).

– A capa do gibi que aparece no filme foi desenhada e pintada por Jack Kamen, um dos artistas originais das lendárias revistinhas de horror da E.C. Comics dos anos 1950. O próprio filme é um tributo a estes gibis. Kamen também projetou o cartaz de “Creepshow” no estilo de uma capa de HQ. Ela foi, inclusive, aproveitada por Bernie Wrightson, que pintou e desenhou os quadrinhos que adaptam o longa. Originalmente, King queria que Graham Ingels, outro artista da E.C. Comics, fizesse o trabalho, mas ele se recusou.

– Nos sets, o apelido do monstro que habitava “A Caixa” era Fluffly (algo como Fofinho); o nome foi dado por Romero.

– A razão pela qual o pai de Bedelia volta à vida após sete anos em “Dia dos Pais”, é que ela simplesmente deixou cair uísque na tumba dele. Em gaélico, a palavra uísque significa “água da vida”.

– Adrienne Barbeau ainda estava casada com John Carpenter quando “Creepshow” foi lançado. Carpenter dirigiria a adaptação “Christine: O Carro Assassino” um ano depois.


TRAILER