Christine: O Carro Assassino


Adaptação do Livro: Christine (Christine, 1983)


Adaptação do Conto: ———-


Título Original: Christine


Ano de Produção: 1983


Duração: 110 minutos


Data de Estreia nos EUA: 09/12/1983


Data de Estreia no Brasil: 17/05/1984


Elenco: Keith Gordon, John Stockwell, Alexandra Paul, Harry Dean Stanton, Robert Prosky


Direção: John Carpenter


Sinopse: Arnie Cunningham é o típico aluno que é o alvo principal do bullying do colégio. Apesar das humilhações, o garoto vai levando a vida. Um belo dia, acompanhado de Dennis, seu único amigo, Arnie encontra Christine, um Plymouth Fury vermelho e branco caindo aos pedaços num ferro-velho. É amor à primeira vista. Arnie compra o veículo, o restaura e passa a tratá-lo com um carinho sem igual. Entretanto, contra todas as expectativas, Christine corresponde os sentimentos do rapaz. Dotada da capacidade de se regenerar e de se autopilotar, Christine está decidida a fazer a vida de Arnie ser a melhor possível, mesmo que isso signifique acabar com a raça daqueles que perseguem o rapaz.


Disponível no Brasil em: VHS, DVD, Blu-Ray, Streaming (HBO GO, Darkflix), VOD (Google Play, YouTube, iTunes)


CURIOSIDADES

– Scott Baio foi considerado para o papel de Arnie Cunningham, enquanto Brooke Shields foi sondada para interpretar Leigh Cabot. Os produtores, todavia, pensaram que seria melhor contratar atores “desconhecidos”.

– Richard Kobritz, que produzira a minissérie “Os Vampiros de Salem” (1979), recebeu dois manuscritos escritos por King para que ele escolhesse qual seria a próxima adaptação que produziria. Um deles foi Christine e o outro foi Cujo. Korbitz escolheu Christine porque achou Cujo bobo demais.

– No filme, o detetive Rudolph Junkins também dirige um Plymouth Fury. Na cena em que ele encontra Arnie em um estacionamento, é possível ver que o veículo do detetive é um Plymouth Fury 1977 ou 1978; um modelo de viaturas policiais popular no final dos anos 1970.

– Para simular a regeneração do carro, bombas hidráulicas foram instaladas no interior dos numerosos Plymouths “dublês”. Uma textura de plástico similar ao metal foi usada para deformar o veículo. As bombas eram ligadas por cabos, que, por sua vez, estavam conectados ao carro. Quando eles eram comprimidos, “sugavam” todo o ar. As cenas do Plymouth “emagrecendo” foram simplesmente editadas de trás para frente, para fazer com que o carro parecesse se regenerar.

– O filme exibido na cena do drive-in é “Até que Enfim é Sexta-Feira” (1978).

– Kevin Bacon foi considerado para o papel de Arnie, mas acabou preferindo atuar em “Footloose: Ritmo Louco” (1984).

– O ator Robert Prosky (Will Darnell) solicitou ao roteirista Bill Phillips que desse mais diálogo ao seu personagem para deixá-lo mais interessante. Prosky apontou diversos momentos do romance de King que contém falas de Darnell.

– A cena de abertura que mostra Christine “nascendo” em Detroit foi adicionada apenas no filme. Esta sequência não faz parte do romance de Stephen King.

– O roteirista Bill Phillips admitiu que o filme não tinha violência suficiente para ter classificação indicativa “R” (a mais alta nos Estados Unidos). A equipe tinha medo de que, se o filme ganhasse classificação “PG” (PG-13 ainda nao existia), ninguém se interessaria em assisti-lo. Propositalmente, Phillips inseriu a palavra “fuck” e derivados para aumentar a classificação. Ele comentou que a produção acabou sendo bastante criticada pelo excesso de palavrões.

– Como brincadeira, Caroline Paul, irmã gêmea de Alexandra Paul, serviu de dublê para ela durante algumas cenas.

– Para se aprofundar em sua atuação, Keith Gordon (Arnie) fingia que Christine era realmente uma mulher.


CURIOSIDADES COM SPOILERS

– Na primeira vez em que Arnie traz Christine à garagem de Darnell, é possível ver o buldôzer que mais tarde a destruirá.

– Após ler o livro, o ator Keith Gordon e o desenhista de figurino bolaram um visual que mostraria um Arnie influenciado por Christine. Com o progresso da história, o rapaz passa a usar roupas que refletem a época em que Christine foi construída. Em vários momentos, especialmente enquanto discute com Leigh ao telefone, Arnie é visto com uma jaqueta aberta, camisa preta, calças pretas e botas no estilo “grease” dos anos 1950. Mais tarde, o personagem usa uma jaqueta vermelha similar a de James Dean, em “Juventude Transviada” (1955).


TRAILER