À Espera de um Milagre


Adaptação do Livro: À Espera de um Milagre (The Green Mile, 1996)


Adaptação do Conto: ———-


Título Original: The Green Mile


Ano de Produção: 1999


Duração: 189 minutos


Data de Estreia nos EUA: 10/12/1999


Data de Estreia no Brasil: 10/03/2000


Elenco: Tom Hanks, Michael Clarke Duncan, Sam Rockwell, David Morse, Michael Jeter


Direção: Frank Darabont


Sinopse: Paul Edgecomb é o honesto chefe dos guardas do Bloco E na prisão de Cold Mountain. O local é a última parada de homens que cometeram crimes hediondos até serem enviados à cadeira elétrica. Junto a seus colegas, Paul trabalha para que estes criminosos tenham momentos de paz antes de morrerem. Certo dia, ele recebe mais um prisioneiro o gigantesco John Coffey, acusado de matar e estuprar duas crianças. O destino do gigante parece ser o mesmo que o dos outros detentos do lugar, mas Paul começa a desconfiar de que Coffey, que não apenas demonstra ser um homem bondoso, mas também realiza milagres inacreditáveis de sua cela, pode ser inocente.


Disponível no Brasil em: VHS, DVD, Blu-Ray, Streaming (Darkflix), VOD (Google Play, Microsoft Store, YouTube, iTunes)


CURIOSIDADES

– É de “À Espera de um Milagre” o recorde de ter no elenco a maior quantidade de atores que já haviam participado, ou que participariam, de outras adaptações baseadas na obra de Stephen King. Além deste filme, Jeffrey DeMunn participou de “Um Sonho de Liberdade” (1994), da minissérie “A Tempestade do Século” (1999) e de “O Nevoeiro” (2007); William Saddler esteve em “Um Sonho de Liberdade” (1994) e em “O Nevoeiro” (2007); James Cromwell interpretou o padre Callahan na minissérie “A Mansão Marsten” (2004); Patricia Clarkson foi Margaret White em “Carrie, a Estranha” (2002); David Morse participou da minissérie “Fenda no Tempo” (1995) e do filme “Lembranças de um Verão” (2001); Harry Dean Stanton coestrelou “Christine: O Carro Assassino” (2003); e Gary Sinise foi Stu Redman na minissérie “A Dança da Morte” (1994).

– Originalmente, o romance se passa em 1932, mas a adaptação foi ambientada em 1935 para que o filme “O Picolino” pudesse ser envolvido na história.

– No filme, há um personagem chamado Harry Terwilliger e outro chamado Dean Stanton. Um dos atores que participa do longa é Harry Dean Stanton, que também teve um papel na adaptação “Christine: O Carro Assassino” (1983).

– Na realidade, Michael Clarke Duncan era apenas três centímetros mais alto que David Morse, e cinco centímetros mais baixo que James Cromwell. Entre outros artifícios, ângulos criativos foram usados para criar a ilusão de que John Coffey era maior do que todos; até mesmo que Brutus Howell e o diretor Moores.

– Michael Jeter (que interpreta Eduard Delacroix) também esteve em “Um Ratinho Encrenqueiro” (1997), outro filme coestrelado por um rato inteligente.

– No começo do filme, quando o velho Paul caminha pelo asilo, ele anda sobre um piso verde, representando sua própria Milha Verde.

– Apesar de os guardas usarem uniformes no filme, nos Estados Unidos dos anos 1930 não havia a cultura de guardas de prisão usarem uniformes.

– A música tocada nos alto-falantes do asilo enquanto o velho Paul sai de seu quarto é “Charmaine de Mantovani”, a mesma melodia que as enfermeiras tocavam na hora da medicação no filme “Um Estranho no Ninho” (1975).

– Originalmente, Tom Hanks também interpretaria o velho Paul, mas testes de maquiagem se provaram ineficazes em envelhecê-lo com realismo.

– Quando Paul apresenta o Sr. Jingles a Elaine, o rato tem, pelo menos, 64 anos. Isto é nove vezes mais do que a expectativa de vida do mais velho rato já registrado.

– Segundo Frank Darabont, o ator Doug Hutchison (Percy) recebeu da equipe de figurinos os sapatos mais barulhentos que já havia ouvido. Ele julgou que esse foi um grande presente do destino, e uma perfeita e maravilhosa “marca registrada” do irritante personagem.

– King visitou os sets de filmagem e pediu para sentar na “Velha Faísca”. O autor aparentemente não gostou muito da sensação, porque logo pediu para sair.

– Foi o ator Bruce Willis quem sugeriu à produção a escalação de Michael Clarke Duncan para o papel de John Coffey. Ambos haviam coestrelado “Armageddon” um ano antes.

– O papel de Paul Edgecomb foi oferecido a John Travolta, mas ele o recusou.

– Último filme de Dabbs Greer.

– Quando Paul e Brutus levam John para fora da cadeia, o gigante olha para as estrelas e fala: “Olhe, Chefe, é a Cassie; a senhora na cadeira de balanço”. Esta é uma referência à constelação Cassiopeia. Na mitologia grega, a rainha Cassiopeia é caracterizada por estar sentada numa cadeira de balanço.

– Durante o filme, Paul grita para Percy “Get the fuck off my block”. A fala, porém, acabou redublada para “Get the hell off my block”.

– Para cenas mais emotivas, Michael Clarke Duncan canalizou o sofrimento que sentiu quando seu pai lhe abandonou na infância.

– Ao todo, 15 ratos foram usados para o papel de Sr. Jingles.

– Tom Hanks aceitou o papel de Paul Edgecomb para agradar o diretor Frank Darabont. No passado, ele fora obrigado a recusar o papel de Andy Dufresne em “Um Sonho de Liberdade” porque já estava envolvido com “Forrest Gump: O Contador de Histórias”.

– A cama onde Coffey se deita foi propositalmente construída para ser menor e dar a ilusão de que Coffey era um homem realmente gigantesco.

– Para Frank Darabont, “À Espera de um Milagre” é o filme mais satisfatório de sua carreira.

– Na cena em que Coffey assiste a um filme no cinema da prisão, a luz do projetor forma uma aura quase celestial atrás da cabeça do personagem. De acordo com Darabont, o efeito foi proposital.

– Michael Clark Duncan não se sentiu confortável em tocar a virilha de Tom Hanks na cena em que Coffey cura a infecção urinária de Paul. Para ajudar, Hanks colocou uma garrafa de água vazia dentro da calça, e Duncan se sentiu mais à vontade para tocar no local.


TRAILER