Cemitério Maldito


Adaptação do Livro: Cemitério Maldito (Pet Sematary, 1983)


Adaptação do Conto: ———-


Título Original: Pet Sematary


Ano de Produção: 2019


Duração: 101 minutos


Data de Estreia nos EUA: 05/04/2019


Data de Estreia no Brasil: 04/04/2019


Elenco: Jason Clarke, John Lithgow, Amy Seimetz, Jeté Laurence, Hugo Lavoie, Obssa Ahmed


Direção: Kevin Kölsch e Dennis Widmyer


Sinopse: Louis Creed e sua família, composta pela esposa Rachel e pelos filhos Ellie e Gage, se mudam para Ludlow, Maine, uma cidadezinha rural onde são bem-recebidos e apresentados à lenda do “Simitério de Animais”, localizado nas florestas que cercam o lugar. De acordo com o mito, aquele que lá for enterrado, voltará à vida. Após Churchill, o gatinho de seus filhos, ser atropelado, Louis resolve testar a teoria. Para sua surpresa, Church volta para casa dias depois, embora sua personalidade pareça estar terrivelmente mudada. Chegará o tempo em que os Creed se arrependerão amargamente de terem mexido com o “Simitério”.


Disponível no Brasil em: DVD, Blu-Ray, VOD (Google Play, Microsoft Store, YouTube, iTunes)


CURIOSIDADES

– Durante o aniversário de Ellie, é possível ouvir Jud falando ao fundo “Houve um grande São Bernardo que matou quatro pessoas”; esta é uma referência ao cão Cujo, do romance/filme homônimo.

– Quando Rachel está voltando para casa de Boston, ela passa por uma placa na estrada que diz “Derry, 36km”.

– Ao todo, cinco gatinhos (todos eles resgatados) foram usados para o papel de Church. Para a maquiagem dos felinos quando Church retorna dos mortos, a produção usou claras de ovo, folhagem, grama, terra e xarope com corante vermelho. Tristemente, um dos gatinhos, que foi adotado por um dos coordenadores de animais do filme, faleceu em maio de 2019.

– Em certa cena, Ellie conta para Jud que seu gato se chama Churchill. O ator John Lithgow (Jud) interpretou Winston Churchill no seriado “The Crown”.

– Em determinado momento do filme, Louis pesquisa sobre incidentes envolvendo reanimações em Ludlow, e encontra um artigo sobre Timmy Baterman, um personagem mostrado no romance e na adaptação original.

– De acordo com a mídia, a Paramount Pictures, que considerava um remake de “Cemitério Maldito” desde 2008, foi forçada a apressar os planos de realizar o filme ao receber uma carta dos representantes de Stephen King informando que em breve eles perderiam os direitos cinematográficos da história se não produzissem uma nova adaptação do livro.

– Nos créditos do filme, a banda Starcrawler canta um cover de “Pet Sematary”, dos Ramones.

– Diferentemente do romance e da adaptação original, o remake não mostra a tribo Micmac como possível criadora do cemitério nas florestas de Ludlow. O filme, na verdade, explica que a tribo fugiu do local após descobri-lo.

– Os diretores do filme queriam fazer o máximo de mudanças possíveis sem perder a essência da história, porque queriam se distanciar da adaptação de 1989.

– Embora no romance Zelda tenha meningite espinhal, neste filme a doença da irmã de Rachel nunca é revelada. Esta foi uma decisão proposital dos diretores.

– Louis menciona que, em seu primeiro dia como médico da universidade de Ludlow, precisou tratar de quatro narizes ensanguentados. Esta é uma referência a uma passagem do romance, onde estudantes fingiam estar com os narizes sangrando para evitar uma prova.

– O compositor do filme, Christopher Young, é conhecido por criar a música de vários filmes de terror. Em 1993, ele compôs a trilha sonora da adaptação “A Metade Negra”. Curiosamente, o protagonista do romance A Metade Sombria vive em Ludlow, onde a ação de Cemitério Maldito acontece.

– No filme original de 1989, a personagem Ellie era interpretada por gêmeas: Blaze Berdahl e Beau Berdahl. Já no remake de 2019, é Gage quem é interpretado por gêmeos: Hugo Lavoie e Lucas Lavoie.

– Ellie refere-se a si mesma como “Ellie, a Grande e Terrível”, um apelido que contém um significado mais profundo no romance, visto que está ligado aos personagens de Louis e Zelda.


CURIOSIDADES COM SPOILERS

– O próprio Stephen King propôs um final alternativo para o filme. Nele, Gage sobreviveria e caminharia a esmo pela estrada durante a aurora. De repente, um caminhão viria em sua direção e ele seria salvo no último segundo por uma moça, que lhe perguntaria sobre seus pais. A sugestão de King, porém, não foi utilizada.

– Pistas da existência da criatura Wendigo (cuja aparição é sugerida no romance), são mostradas na casa de Jud através de alguns livros seus, como o que Louis folheia. Quando Louis vai enterrar Ellie no cemitério indígena, ele escuta alguns sons horríveis que indicam que o Wendigo o está observando.

– Ao serem ressuscitados, tanto Church quanto Ellie ficam com um olho mais fechado do que o outro.

– Na adaptação original de 1989, o caminhoneiro atropela Gage ao ser distraído pela música “Sheena is a Punk Rocker”, dos Ramones. Nesta versão, o caminhoneiro é distraído por uma chamada recebida no seu celular de uma mulher chamada Sheena.

– Em determinado momento do filme, Ellie assiste a um episódio de Bob Esponja em que ele e Patrick ficam convencidos de que Lula Molusco morreu, e, por isso, começam a preparar um enterro apropriado para ele.

– O final original do livro chegou a ser gravado, mas testes de público mostraram que os espectadores preferiam a conclusão que acabou sendo utilizada no filme.

– Stephen King admitiu ter ficado espantado com a reação contrária dos fãs do livro acerca do “plot twist” em que Ellie é a vítima do caminhoneiro e não Gage. O próprio autor se disse tranquilo com a alteração.

– Após ressuscitar Ellie, Louis diz “Que Deus arranje sua própria criança”, o que é uma referência à fala de Ellie no filme original de 1989, “Que Deus arranje seu próprio gato”, ao se referir a Churchill.


TRAILER